O GUIA DO

Como evito que meus filhos sumam com coisas minhas?

In Família on abril 1, 2018 at 6:19 am

RODRIGO responde: Uma das primeiras habilidades que as crianças desenvolvem, logo depois de sorrir e mexer no pezinho, é sumir com objetos importantes. E elas se aprimoram com o tempo. Está atrasado e não encontra a chave do carro? Precisa do pen drive com a única cópia do contrato milionário que sua empresa vai ia assinar? Não acha o brinco da sua amante amiga da aula de reiki? BOA SORTE.

Felizmente existem várias estratégias para evitar esses imprevistos. Uma opção óbvia é conversar. Explique que eles só devem mexer com brinquedos, fios elétricos e tesouras, nunca com algo que pareça importante, como o controle do seu videogame. Outra providência bastante efetiva é colocar um dispositivo de choque em qualquer objeto importante para você.

Um estudo da Universidade Al Akhawayn, porém, chegou a uma conclusão surpreendente. Aparentemente, a melhor maneira de não perder suas coisas é colocá-las no lugar certo, em vez de jogá-las em qualquer canto.

É verdade que criar um filho pode custar até R$ 2 milhões?

In finanças on novembro 20, 2017 at 2:04 am

RODRIGO responde: Um estudo da empresa Invent deixou muitos pais e mães (e candidatos a) preocupados. A conclusão que mais chocou é a de que, em famílias de renda alta, acima de R$ 25 mil, os gastos com a criação de um filho até os 23 anos podem passar de R$ 2 milhões.

Ninguém acreditou, mas é a mais pura verdade: existem pais que criam os filhos até os 23 anos de idade.

A principal despesa, segundo o estudo, é com educação – uma conta de quase R$ 500 mil. Porém, há outros itens consideráveis, como “brinquedos e tecnologia”, que podem consumir quase R$ 200 mil ao longo da vida do nenezinho da classe A.

Como evitar esses gastos? As consultorias financeiras sugerem diferentes métodos de acordo com o perfil de risco do indivíduo: vasectomia e ligadura de trompas (conservador), camisinha e pílula (moderado) e coito interrompido (arrojado).

Como devo reagir quando meu filho finge que não me ouve?

In Psicologia on agosto 28, 2017 at 10:03 pm

RODRIGO responde: Equilíbrio é a palavra-chave. Você não pode nem perder a paciência, nem ser permissivo demais. É o exercício da autoridade que cria na criança o vínculo de confiança e o extremo cagaço necessários ao seu melhor desenvolvimento. Uma pesquisa da Universidade de Tekavatoetoe com 300 pessoas, ou seja, toda a população local, concluiu que o número máximo de vezes que os pais devem repetir um comando é 3,8. Assim, como você mandou o menino desligar o tablet oito vezes e ele não obedeceu, na próxima oportunidade pode partir direto para a gritaria.

Ah, não se preocupe com a audição do garoto. Se ele não obedece, é porque está ouvindo muito bem.