O GUIA DO

Meu filho levou uma mordida de um coleguinha na creche. O que fazer? [Atualização]

In Vida Social on outubro 31, 2019 at 4:32 pm

RODRIGO responde: Vamos começar pelo começo: não entre na Justiça contra a família do amiguinho. NÃO FAÇA ISSO. Seu filho já levou uma mordida; não precisa, além da dor, passar vergonha no mundo inteiro.

A maioria dos especialistas em psicologia infantil e familiar recomenda uma prática ancestral em desuso no país: conversar. Busque informações junto à escola sobre o comportamento das duas crianças, convide os pais do outro menino para um diálogo amigável. Tente conversar também com seu filho.

O fato é que as crianças (felizmente) não seguem as regras de comportamento dos pais. Uma mordida pode refletir frustração, raiva, até problemas graves no ambiente familiar. Por outro lado, pode ser apenas uma reação isolada, fruto de uma insatisfação momentânea ou uma coceirinha nos dentes.

Se seu temor é que o ataque se repita, existem equipamentos à venda na internet que podem ajudar. [Nota: não ganhamos comissão.]

Não se esqueça da vacina.

Como preparar meu filho para enfrentar 36 graus e 15% de umidade?

In Conforto, Saúde on setembro 22, 2019 at 11:43 pm

RODRIGO responde: A criogenia, diante das condições climáticas e sociais do momento, tem sido bastante recomendada. Contudo, a no mínimo US$ 200 mil, pode estar fora do alcance.

Então, para enfrentar o calor e a secura, resta cuidar da hidratação. Água, suco e chá são boas opções; fazer a criança chorar não conta. Solução fisiológica no nariz ajuda a reduzir o desconforto. O bom e velho balde d’água também é ótimo, tanto para melhorar a umidade, como para tropeçar e inundar o ambiente.

Uma dica popular é viajar para Safiabad.

Estou bastante preocupado porque meu filho de 7 anos ainda dorme com um cachorro de pelúcia. O que fazer?

In Psicologia on junho 27, 2019 at 8:47 pm

RODRIGO responde: A questão é bastante séria. Essa preocupação pode indicar solidão, carência afetiva, falta de autoestima e insegurança emocional. Portanto, apesar de a situação ser incômoda, é importante tomar providências imediatas. Cedo ou tarde, é necessário amadurecer, libertar-se das asas da família e enfrentar o mundo real ao nosso redor, sob pena de uma permanência indefinida no universo da primeira infância.

Quanto ao seu filho, ele vai se desapegar naturalmente do bichinho, sem muito aviso prévio.