O GUIA DO

Archive for setembro \29\UTC 2013|Monthly archive page

Minha mulher quer pintar o quarto do bebê de rútilo. Devo aceitar?

In Psicologia on setembro 29, 2013 at 10:31 pm

RODRIGO responde: Embora publicações especializadas só falem de comidas exóticas, o desejo da grávida se manifesta de modo muito mais abrangente, como em sapatos e cores de tinta (e de esmalte e de batom). A questão aqui é de cálculo de risco: sua preferência provavelmente não vale acabar com um filho rútilo.

(O mesmo vale para aquele picolé de araticum com cravo da índia que ela anda pedindo.)

A pediatra apontou suspeita de pneumonia na minha filha. O que significa?

In Saúde on setembro 21, 2013 at 11:07 pm

RODRIGO responde: A primeira conclusão, um tanto óbvia, ela mesma já deve ter apresentado: sua filha pode estar com pneumonia… ou não. É uma maneira menos constrangedora de dizer “não sei exatamente o que é”. Por isso, nesse tipo de diagnóstico, a manifestação da (suspeita de) doença também costuma ser caracterizada como “leve” – um jeito de passar perto tanto se for grave quanto se não for nada.

Mas o que a mamãe deve fazer? A resposta aqui é clara: ou você segue as orientações da médica ou não segue.

Dar chupeta ao filho pode causar problemas?

In Psicologia on setembro 18, 2013 at 1:56 am

RODRIGO responde: A chupeta só não é um assunto mais controvertido porque faz tempo que foi substituída pelo iPhone. Os pais que recorrem ao bico garantem que o hábito deixa a criança mais calma, ajuda no desenvolvimento dos músculos e ossos da face e até reduz o risco da síndrome da morte súbita do lactente (também conhecido como bebê). Já os que abominam o objeto apontam para defeitos na dentição e na oclusão (vulgo mordida) e para risco de dependência – existem relatos de uso até os sete anos. No meio do debate, dentistas, psicólogos, terapeutas, tias e vizinhos intrometidos, o que significa, no fim das contas, que a chupeta vai causar pelo menos um problema: você nunca vai saber.

Quero dar um presente realmente divertido para uma criança de um ano. O que escolher?

In Compras on setembro 14, 2013 at 2:06 am

RODRIGO responde: Uma boa escolha, ao menos para se sobressair aos outros convidados, é o Tapete Infantil Dwinguler Safari Média, por apenas R$ 649 no Submarino [Nota: não ganhamos comissão.] Agora, se sua preocupação é dar algo que a criança vai achar realmente divertido, tente uma das seguintes opções: embalagem de presente (usada); copo descartável de acrílico; bola de papel amassado (bola amassada de papel também serve); caneta com corpo hexagonal de polipropileno, ponta de tungstênio, tampa ventilada e respirador (conhecida como Bic). Ou um kit mais sofisticado: uma lata de leite em pó vazia com um tubo de rolo de papel toalha. Economizar para quê?

Meu filho começou a engatinhar. Como deixar a casa mais segura?

In Segurança on setembro 9, 2013 at 8:08 pm

RODRIGO responde: Para a maioria das mães, a fase em que o bebê começa a engatinhar é uma alegria e também uma preocupação, com a perspectiva de toda sorte de acidentes. Uma apreensão comum é em relação aos cristais austríacos, porcelanas chinesas e esculturas congolesas espalhados pela casa. Ao alcance das mãozinhas do neném, num aparador ou mesinha de canto, as peças deixam as mamães em pânico: afinal, se elas se espatifarem no chão, como substituí-las?

Mas nada de desespero.

Além de equipar a criança com luvas, cotoveleiras, joelheiras e capacete, é recomendável aproveitar o momento para reavaliar a necessidade de tantos objetos. Estudos realizados por pesquisadores gregos em 1998, a.C., mostram que cerca de 40% das peças de decoração numa casa são dispensáveis (35% são inúteis e 25% de péssimo gosto).

Também é aconselhável tampar as tomadas, guardar as toalhas de mesa (já pensou em passadeiras bordadas?), botar protetores de quina nos móveis mais ameaçadores e, claro, montar um cercadinho. Lembrando que, se você for deixar o bebê o tempo todo enclausurado, as outras medidas podem ser dispensadas.

Como evitar que minha filha tenha contato com a Galinha Pintadinha?

In Consumo on setembro 6, 2013 at 3:50 am

RODRIGO responde: Chega a ser engraçado: até o parto os pais realmente acreditam ser possível criar um filho longe da Galinha Pintadinha. Aí começam a abrir os presentes do recém-nascido e eis que aparece um par de meias com a inconfundível criatura azul. A mamãe ciosa esconde a meia no fundo da gaveta, mas, uns meses depois, já na primeira festinha de criança, sai de lá com balinhas, biscoitinhos e garrafinha estampadas com a penosa. O papai marxista distribui os brindes entre colegas de trabalho, vizinhos e desconhecidos… só para, na primeira semana de creche, ver o filho batendo com o dedo na palma da mão, atrás do pintinho amarelinho – que, quando quer comer bichinhos, com seus pezinhos cisca o chão.

Com milhões de DVDs vendidos, outros milhões de vídeos baixados em celulares e tablets e centenas de produtos licenciados, a galinha é uma praga incontrolável e, naqueles dias, a única coisa capaz de fazer uma criança parar de chorar.

Se ainda assim você pretende mantê-la longe da sua filha, tome as seguintes providências, na ordem que preferir: não frequente camelôs, feirinhas e Lojas Americanas; não coloque a criança em berçário ou creche; não vá a parquinhos ou qualquer tipo de atração infantil; verifique se seu pediatra tem eletrônicos no consultório (mesmo que seja um videocassete ligado numa TV de tubo); não visite parentes ou amigos com filhos menores de 18 anos.

O fracasso é garantido.