O GUIA DO

Archive for the ‘Educação’ Category

Um coleguinha chama minha filha de 7 anos de gostosa e tenta beijá-la à força. O que faço?

In Educação, Família, Uncategorized on agosto 19, 2017 at 11:56 am

RODRIGO responde: A primeira providência é não falar com o diretor da escola, sob o risco de ele responder que “agora ela não gosta de ser chamada de gostosa, mas depois…”. A melhor opção é pegar esse protótipo de machista e meter a por… caria desse comportamento repulsivo na lata de lixo. Depois pode baixar o ca…. tálogo de manuais sobre criação de meninos para um mundo igualitário. Finalmente, como sempre recomendo, é hora de enchê-lo de… beijos e abraços.

Esses conselhos, evidentemente, são para os responsáveis pelo garoto. À família da menina, infelizmente, só posso dizer que denuncie e cobre providências das autoridades. De resto, é manter a esperança de que, com o tempo, ele cresça e mude de conduta. Ou pelo menos deixe de ser diretor de escola.

Gritei com meu filho ontem e estou me sentindo mal. O que faço?

In Educação, Psicologia on junho 23, 2017 at 1:26 pm

RODRIGO responde: A primeira providência, urgentíssima, é comprar um decibelímetro. Diversos estudos indicam que gritar pode ser tão nocivo na relação com os filhos quanto bater. Mas nenhum cientista teve a preocupação básica de definir antes o que, exatamente, é gritar. Uma boa referência é o volume de uma conversa normal: 60 dB. Se passar mais de 150% disso, você pode estar exagerando.

O fato é que, se você ama seu filho (e se não ama também), no fundo sabe que gritar, além de não ter nenhum efeito pedagógico positivo, causa confusão, insegurança e trauma. Na criança também. Portanto, seja racional e se controle. Uma vez ou outra, num dia de estresse extremo, vai lá. Agora, se estiver acontecendo mais que isso, o conselho é um só: PARA! PARA COM ESSA PORRA AGORA!

Solto muito palavrão: como evitar que meu filho repita?

In Educação on julho 5, 2014 at 7:19 pm

RODRIGO responde: Não é novidade que os cérebros das crianças são como esponjas, portanto, não adianta torcer para que ele não copie os turpilóquios que você diz. A melhor estratégia é se condicionar a usar versões suavizadas – “vai tomate cru” e “filho da truta” são ótimas no segmento alimentício – ou alternativas mais polidas como “pombas”, “droga” e o meigo “eita-ferro”. Se não funcionar, não se preocupe em excesso. Num instante, seu filho vira adulto, e ninguém mais vai achar feio ele mandar todo mundo para a puta que pariu ponte que partiu.

Acabei de dar um beliscão no meu filho. Posso ser preso?

In Educação on junho 4, 2014 at 2:35 am

RODRIGO responde: Há muita desinformação a respeito da Lei da Palmada. Pessoas têm reclamado de uma intromissão indevida do Estado em questões familiares e, contrariadas, chegam a elencar os benefícios físicos, psicológicos e emocionais que uma pancadinha pode garantir. Mas o rebuliço todo não tem razão de ser. É que o texto em discussão no Congresso prevê, em caso de aplicação de “castigo físico” ou “tratamento cruel ou degradante” como forma de educação, o encaminhamento a programas comunitários, tratamento psicológico e cursos.  Acontece que não há nenhuma punição prevista para o caso de desobediência. Na verdade, a única sanção estabelecida no projeto é a advertência, uma velha conhecida dos pais – por sua completa inutilidade. Diante de tudo isso, os juristas já concluíram: falta palmada à Lei da Palmada.

O menino da vizinha é mais articulado que meu filho. Devo me preocupar?

In Educação on maio 3, 2014 at 8:42 pm

RODRIGO responde: O mais importante na relação entre pais e filhos, especialmente os pequeninos, é o amor. Os bebês precisam se sentir amados e apoiados, sempre, para se desenvolver com segurança, no seu próprio ritmo.

Então, a resposta é simples: se você não começar a amar seu filho muito e rápido, ele nunca vai conseguir tirar esse atraso!

Depois de ouvir a história de chapeuzinho vermelho, minha filha perguntou sobre a “mãe do lobo”. O que devo responder?

In Educação on março 23, 2014 at 1:52 am

RICARDO responde: Mude de assunto, fuja, conte outra história. Essas histórias violentas em que se comemora a morte do lobo são difíceis de explicar até para alguns adultos.

Mas fique feliz. Sua filha entendeu que o problema é mais complicado do que a maior parte dos adultos imagina.

Não haverá escola entre o Natal e o Ano novo, mas eu trabalho. Onde deixo meu filho?

In Educação on dezembro 17, 2013 at 12:39 pm

RICARDO responde: Leve-o com você para o trabalho. Você não vai conseguir trabalhar, mas como os chefes – provavelmente – estarão de folga, ninguém vai reclamar. Se seu filho já tiver mais de três anos, instale-o no computador de outra pessoa – onde ele pode ficar desenhando com o Paint ou vendo um DVD da Galinha Pintadinha.

Desde os dois anos, meu filho aprende, além da nossa língua, inglês e alemão. Isso pode causar confusão na criança?

In Educação on março 26, 2013 at 3:14 pm

RODRIGO responde: A primeira infância é uma fase em que a criança aborve as estruturas básicas dos idiomas com muita facilidade. Por isso, os pais se sentem tentados a expor os filhos a diversas línguas, desde cedo, pensando no futuro competitivo que eles enfrentarão – e também na disputa não declarada com os outros pais. No aspecto prático, estudos sugerem que crianças expostas a mais de uma língua podem demorar um pouco a falar, mas, se a capacidade de compreensão se desenvolve em ritmo normal, não há com o que se preocupar. Pequenas erras poderrão ser corrigidas com o tempa.

Minha filha voltou da escola cantando a versão politicamente correta de “atirei o pau no gato”. O que devo fazer?

In Educação on fevereiro 28, 2013 at 11:36 pm

RICARDO responde: Conforme-se. Com a escola você começa a perder o controle sobre o tipo de coisa a que sua filha é exposta.

Daqui a alguns anos ela vai voltar de lá repetindo trechos do Manifesto comunista  ou carregando posteres de cantores adolescentes e você continuará sem poder fazer nada a respeito.

Matriculo meu filho na escolinha de futebol ou na aula de piano?

In Educação on fevereiro 20, 2013 at 12:59 am

RODRIGO responde: Os pais de hoje se dividem basicamente em dois grupos: os que mantêm separações ultrapassadas, como entre o “atleta” e o “erudito”, e os que tratam os filhos como esponjas capazes de aprender inglês, caratê e canto lírico antes do primeiro aniversário. Que tal fazer melhor? Pergunte ao garoto o que ele prefere.

Depois matricule o menino no futebol.