O GUIA DO

Archive for the ‘Família’ Category

Um coleguinha chama minha filha de 7 anos de gostosa e tenta beijá-la à força. O que faço?

In Educação, Família, Uncategorized on agosto 19, 2017 at 11:56 am

RODRIGO responde: A primeira providência é não falar com o diretor da escola, sob o risco de ele responder que “agora ela não gosta de ser chamada de gostosa, mas depois…”. A melhor opção é pegar esse protótipo de machista e meter a por… caria desse comportamento repulsivo na lata de lixo. Depois pode baixar o ca…. tálogo de manuais sobre criação de meninos para um mundo igualitário. Finalmente, como sempre recomendo, é hora de enchê-lo de… beijos e abraços.

Esses conselhos, evidentemente, são para os responsáveis pelo garoto. À família da menina, infelizmente, só posso dizer que denuncie e cobre providências das autoridades. De resto, é manter a esperança de que, com o tempo, ele cresça e mude de conduta. Ou pelo menos deixe de ser diretor de escola.

O que fazer com meus dois filhos pequenos no dia da mudança?

In Família on junho 7, 2015 at 5:24 am

RODRIGO responde: De cara, o mais importante é evitar que eles acabem numa das caixas da mudança, em especial aquelas que vão para o cantinho da varanda ou para o armário da garagem. De qualquer maneira, é bom identificá-los com etiquetas: “quarto do canto”, “quarto do berço”, “casa da avó”…

Com a mudança em andamento, é necessário que um dos pais fique sempre de olho nas crianças, a não ser que os dois precisem acompanhar de perto coisas de valor.

Por último, não se esqueça de verificar a voltagem da casa nova, para não correr o risco de ficar com um filho no 220 volts.

Como fotografar o momento do parto?

In Família on maio 27, 2015 at 10:03 pm

RODRIGO responde: É comum o desejo de registrar, em foto ou vídeo, o momento do nascimento do filho. Esse processo, porém, envolve grandes dificuldades. O coração acelera, as pernas ficam dormentes, aquele sangue todo torna quase impossível manter as mãos firmes. Encontrar um ângulo adequado é um desafio.

Para o pai, é um pouco mais simples, mas quem vai querer perder a oportunidade de aparecer segurando o filhote recém-nascido?

Trabalhei 15 horas e meu filho quer que eu leia histórias. O que fazer?

In Família on abril 9, 2015 at 6:32 am

RODRIGO responde: Numa situação como essa é preciso ser sincero. Com calma, explique ao seu filho que trabalhou 15 horas e que, por isso, está muito cansado. Prometa ler um livro bem legal outro dia. Se ele insistir, aceite contar uma história, mas ressalte que é só uma. Mostre suas olheiras e cambaleie como se fosse perder os sentidos. Pergunte se ele não tem pena do papai.

Depois leia os oito livros que ele quer.

Li numa revista que os pais devem investir nos filhos. Como é isso?

In Família on setembro 7, 2014 at 12:30 am

RODRIGO responde: Desde o ocaso da Avestruz Master e das Fazendas Reunidas Boi Gordo, a melhor opção de investimento em filhos e crianças em geral, a pirâmide, ficou inviável. Hoje, as alternativas mais rentáveis são as clássicas: escolinha de futebol, curso de improvisação no Tablado e carreira política. As duas primeiras são as mais indicadas para as mamães que não querem seguir a trilha da truta.

Preciso estudar e estou sozinho com meu filho de dois anos. O que fazer?

In Família on agosto 31, 2014 at 3:35 am

RODRIGO responde: Uma equipe de psicólogos da USP concluiu recentemente que existem três opções para essa situação: botar a Galinha Pintadinha no celular,  botar a Galinha Pintadinha no DVD ou botar a Galinha Pintadinha no Netflix. Caso você odeie a Galinha Pintadinha (e o Galo Carijó), ou simplesmente não goste de recorrer à hipnose, a melhor opção é tentar envolver a criança na sua atividade. Ler um pouco em voz alta pode ser a solução. “Enquanto no penhor típico se transfere a posse da coisa ao credor, que dela não se pode utilizar, e na hipoteca o bem continua na posse do devedor, na anticrese o credor assume necessariamente a posse do bem para usufruir seus frutos, a fim de amortizar a dívida ou receber juros. O credor anticrético recebe a posse da coisa imóvel frugífera…” Pronto: estude enquanto ele dorme.

Como evitar que minha filha confunda as figuras da avó e da mãe?

In Família on julho 25, 2014 at 5:32 pm

RODRIGO responde: Como dizia Spinoza, avó é avó, mãe é mãe e paca é paca. O temor de que a criança possa não compreender bem o papel da avó em sua vida, embora muito comum, é totalmente infundado.

Já percebeu como até bebês conseguem distinguir o cachorrinho do desenho animado dos verdadeiros que circulam na vizinhança? A capacidade de separar fantasia e realidade surge muito cedo – e uma senhora sempre sorridente, que traz presentes, faz todas as vontades e libera toneladas de brigadeiro não pode ser de verdade, não é mesmo?

Outra preocupação é quando a avó fica encarregada de dar comida e banho, trocar fralda, brincar, levar para passear no parquinho e botar para dormir. Nesse caso, sim, a confusão é frequente. É difícil para a criança saber se essa mulher é a avó ou a babá.

Como explico ao meu filho o que foi a ditadura militar?

In Família on abril 2, 2014 at 12:57 am

RODRIGO responde: Explique que, numa ditadura, ele não poderia escolher livremente como se vestir, que músicas cantar, que lugares frequentar ou mesmo com quem conversar. E se o moleque retrucar que já é assim? Mande-o calar a boca.

[Se aquela sua prima comentar que não se faz isso com uma criança, explique que foi uma contra ordem preventiva, para evitar a instalação de uma ditadura infantil, insuflada pelos comunistazinhos do jardim de infância.]

Quando é hora de ter o segundo filho?

In Família on janeiro 27, 2014 at 3:26 pm

RODRIGO responde: Essa é uma pergunta que atormenta onze em cada dez casais. Preocupações com finanças familiares, tempo livre, preparo psicológico e até disposição física ficam batucando na cabeça do papai e da mamãe, que ainda pensam “como seria bom o filhinho/a ter uma companhia”. A melhor maneira para sair de forma racional dessa dúvida é se fazer algumas perguntas. Veja a resposta para seu caso no fim do post.

1) Vocês já tentaram ter (ou têm) um cachorro, gato ou iguana?

2) Já conhecem Estados Unidos, Europa, Tailândia, Nauru e São Cristóvão e Névis?

3) Conseguem pagar escola, plano de saúde, fraldas, roupas e brinquedos do primeiro filho?

4) Estão com todos os exames de saúde física e mental em dia?

5) Seu marido/mulher já falou no assunto?

Resultado:

Quatro ou cinco nãos – Nunca
Um a três nãos – Espere a vontade a passar
Nenhum não – Boa sorte (você vai precisar)

Meu marido só chama nosso bebê de ‘filho’. Isso pode ser ruim?

In Família on junho 7, 2013 at 3:18 am

RODRIGO responde: Em primeiro lugar, é preciso entender que, depois de meses de pânico diante da possibilidade de ter de brincar de Barbie e assistir à ginástica artística nas Olimpíadas, a ênfase nas masculinidade do seu filho – ops – é absolutamente normal. Isso, no entanto, não significa que a prática seja saudável. Ouvir o próprio nome é essencial para o desenvolvimento adequado da criança. Portanto, se seu marido não conseguir mudar o comportamento, tente lhe mostrar como adquirir uma consciência de si é importante para o rebento. E, convenhamos, não há nada tão difícil em chamar o pequeno Arquiteclínio pelo nome.